Subscribe:

Eu com Javé

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

A&A – Anima e Animus – Prólogo

Seletsbruk_paraiso

 

- “Paraíso!

 

Muitos colocam suas vidas na mão de uma divindade esperando receber em troca um passe que lhe permita deixar – esquecer - as dores da vida, as preocupações, as afrontas do OUTRO e guerrilhas internas com o próprio EU. Não enxergam que esta dinvidade não espera deles que se divinissem, mas se fez homem para ensiná-los a se humanizar.

 

Vivem projetando-se para um futuro utópico e esquecem de viver o presente, professam adorar a um Deus, mas não hesitam em massacrar, em humilhar o próximo por quem esse Deus se deu. Deus que por sinal eu amo! Mas não consigo entender por que os que dizem o seguir são tão hipócritas… E blá, blá, blá…”

 

- DEVOLVA!!! – gritou Taiki para sua irmã.

 

- Venha buscar Taiki Anima Sofia… Afinal porque você escreve diários? – Rabies Animus Sofia provocou o seu irmão gêmeo. – Nem eu que sou menina faço essas coisas…

 

- Me devolva! – em um salto Taiki toma sua agenda das mãos de sua irmã – E saia do meu quarto, você sabe que isso não é um diário…

 

Rabies com um sorriso triunfante solta beijinhos e retorna ao seu quarto… Taiki coloca sua agenda em uma pequena mochila e decide sair de casa, escolhe então o parque para escrever suas deduções sobre a vida. Taiki e sua irmã gêmea, obviamente, tinham 17 anos e já estavam formados no 2º grau. Ambos estudam em um cursinho pré-vestibular, Taiki dedicasse ainda a dança, teatro, desenho e filosofia, enquanto Rabies estuda recursos humanos e pratica volei, Muai Tai e outros esportes radicais, apesar de gêmeos são totalmente opostos, enquanto um é pacífico, dado as artes, sensível e sincero, o outro é manipulador, inpulsivo, ditador e imediatista.

 

O lazer principal de Taiki é a filosofia e a poesia, adora escrever, Rabies diverte-se fazendo que os outros sigam suas vontades. O Senhor e a Senhora Sofia são exemplos de pais, dedicam tempo a seus filhos e durante toda a infância deles foram ótimos construtores de memórias e de caráter, mas o fim da adolescencia é um período de escolhas. Onde começamos a vislumbrar e ilusionar também, a tão querida liberdade.

 

Sentado no Parque do Sol olhando os patos e os gansos no lago Taiki deixa sua mente divagar, e mais uma vez naquele dia sua mente tenta alcançar Quem é Deus e onde ele está.

“Vede que grande amor o Pai nos tem concedido, o de sermos chamados filhos de Deus, o que realmente somos. Por isso o mundo não nos conhece, porque não o conheceu.”

Havia lido estas palavras em um panfleto evangelístico, mas não havia compreendido a mensagem, sentiu-se frustado, pois o homem bem arrumado entregou-lhe o papel e de forma tão brusca como foi a abordagem se afastou sem ao menos pensar em lhe ajudar na compreensão.

 

- Realmente não entendo estes cristão! – Exclamou Taiki antes de cochilar a beira do lago.

 

Continua…

 

A&A

NOTAS: Este conto não tem grandes pretenções, é apenas o meu lazer, portanto dou-me o direito de utilizar textos da Wikipédia para explicar teoremas complexos e que exigiriam mais cuidado. Escolhi a Wiki justamente por estar simplificada e também porque quando copio os links já vem no texto… Se quiser saber mais sobre o assunto pode começar a pesquisar por Freud e Jung, o tema é Psicologia Analítica. Boa Sorte…

 

1 – Taiki: Palavra japonesa que significa Pacífico e Anima referesse a sizígia.

2 – Rabies: Palavra suaíle que significa Raiva e Animus referesse a sizígia.

3 – Sofia: Palavra grega se não me engano e significa Sabedoria.

4 – Sigízia: Em Oceanografia marés de sizígia são as que ocorrem nas luas nova e cheia, quando os efeitos lunares e solares reforçam uns aos outros, produzindo as maiores marés altas e as menores marés baixas. Em Psicologia, sizígia, ou o arquétipo da alteridade, segundo Carl Jung e Carlos Byington, se refere aos opostos masculino-feminino na psique. Segundo a psicologia analítica, trata-se da personificação de uma produção espontânea do inconsciente. Como é inconsciente, esse arquétipo caracteriza-se pela sua autonomia em relação ao ego, produzindo fenômenos problemáticos, tanto no âmbito do relacionamento com o sexo oposto, quanto na intimidade do indivíduo. Nos sonhos de um homem, por exemplo, a anima pode surgir como uma mulher desconhecida. O mesmo dando-se com uma sonhadora com o seu animus. A relação do sonhador com o arquétipo da alteridade indica como está o relacionamento do sonhador com o seu oposto complementar. No Gnosticismo, especialmente no Valentianismo, sizígia denota um par ativo-passivo de eons complementares; em sua totalidade eles configuram o domínio divino da Pleroma e caracterizam em si os diversos aspectos do deus gnóstico. (Wikipédia)

“Anima e Animus”

Senti uma vontade de explorar alguns aspectos da psicologia, uma das minhas paixões, e um aspecto que julgo ter total relacionamento com este blog são os conceitos de Anima e Animus:

 

Anima e Animus, na Psicologia Analítica de Carl Gustav Jung, são aspectos inconscientes de um indivíduo, opostos à persona, ou aspecto consciente da Personalidade. O inconsciente do homem encontra expressão como uma personalidade interior feminina: a Anima; No inconsciente da mulher, esse aspecto é expresso como uma personalidade interna masculina: o Animus.

(Wikipédia)

Portanto entendam que Anima é HOMEM por fora e mulher por dentro e Animus é MULHER por fora e homem por dentro. Este post não é um ensaio psicológico mais o início de um conto com estas duas personalidades analisadas em seu extremo e resignificadas como dois personagens. Um prévio esclarecimento, não é yaoi, não terá slash, nem lemon, e os personagens não são homossexuais, nem bissexuais, nem transgeneros, ou qualquer outra letra das milhares de siglas, eles são irmãos gêmeos e heteros.

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget